sexta-feira, 21 de março de 2008

O memorial da Família Guiga -2




Há algum tempo, o fotógrafo Marco Llobus, acompanha o "Memorial da Família Guiga".
esse projeto é do Celinho Guiga,formado em Música pela UFMG, mas que resolve, num acerto devido, preservar a história musical de sua família, os Guiga.
O patriarca, "Sô Guiga", era educador e andava poelas Gerais , alfabetizando pessoas, de casa em casa, o que é comum na vida interiorana.Mas também era violeiro, cantador e realizou inúmeros bailes, ponto crucial dessa formação artística da família.
Seu pai, o Sr Xisto Guiga, contou-me que, desde pequeno, ensinava Célio a solfejar e lhe educava o ouvido, a voz, de forma natural e lúdica.
na foto acima, ele está antes da irmã, Joana Guiga, que olha para o sobrinho (Celinho).
Esse Projeto teve vários desdobramentos, entre filmagens e entrevistas ,onde LLobus,m um poeta de sensibilidade rasgante, também artista plástico, conseguiu captar o cotidiano da roça.
O baile , que congrega os moradores de determinado locus, ajuda a manter a simples mas rica vida dos moradores alimentada de novidades, causos, contados o som das violas .As relações sociais, desde as vertentes das paixões até aos enlaces , mas também mantenedoras de uma filosofia de vida marcante e própria de determinada região, acontecem no baile de forma natural e atrativa.
Dessa família, aí na foto em meio aos varões , é marcante D.Joana Guiga, por sua história pessoal e sua fortaleza, bela beleza interior e exterior.E hoje ,Marco Llobus comunica-me sua passagem, desenlace quase precoce, pois ainda estava na faixa dos sessenta anos, num tempo em que a faixa etária para a sobrevida é bem maior.
O poeta, emocionado, escreve o poema que publiquei há pouco, na página anterior.E conta-me:"Era uma santa".PAX et LUX para essa mulher musical e forte, delicada e que deixou tão boas impressões.

Não a conheci, mas também sou compelida a escrever, pois muito respeito esse projeto de preservação dem memória.Certa feita, quando ia entrevistar , na lagoa do nado,Celinho e seu pai, o Sr Xisto, que dedilharam as composições do patriarca, de forma tão marcante que ainda os ouço se fechar os olhos, contou-me que aprendera música com seu pai e que repassara esse saber ao seu filho Célio, desde pequenino, de forma quse lúdica e contínua.O moço cresce, aprofunda o aprendizado e como soi ser, faz um projeto e não nega as origens, antes busca-as e as oferece .
Se todas as pessoas preservassem a história familiar, por certo a História seria mais real.
À família, minhas condolências.
Pax et Lux para a santa mulher, bela por fora e por dentro.

Clevane Pessoa de Araújo Lopes

Divulgação da Rede Catitu-belo Horizonte, Brasil

Rede Catitu:De projetos e divulgação sócio-arttístico-cultural,presidida por marco llobus.
Célio Guiga, também é um dos membros da Catitu.Ele e a musa, a advogada Paloma Goulart.
Faço parte da divulgação e do Núcleo Clevane Pessoa e Outras pessoas, de entrevistas e tenho paixão por este belo projeto e suas ações, desdobramentos e registros.

Clevane

A passagem

Poema Para Joana Guiga,que se es/vai em paz e luz.


Ela escorre em luz, vai, se esvai a escorregar pelo túnel
onde o som das violas dos cantadores antigos
e em especial os de sua família musical,
a acompanham...Joana sorri, Joana sente-se livre
e solta a voz.
Anjos e S.Pedro ,já atraídos pela cantoria,
a esperam sorridentes
no portal.

Ela sacode os cabelos que parecem asas
e pergunta onde é o baile...

Então vê, com a viola presenteada
pelo Presidente Artur Bernardes,
o velho e sorridente Sô Guiga,
que puxa uns acordes e a convida
para sentar-se a seu lado...

Clevane Pessoa de araújo lopes
Poeta Honoris causa pelo Clube Brasileiro de Língua Portuguesa
para oito Países Lus´pofonos,
Belo Horizonte,MG,Brasil,em 21/03/2008.

Um comentário:

ARTE E VIDA disse...

A gente não pára. O saber,a melodia e esse cantar continuam em unísono para muito mais além...
Emocionantes os dois poemas e a Vida!
Beijos
Graça Campos