domingo, 29 de junho de 2008

Terceiro Prêmio GRC de música, para a Banda Caution





Quentinha da Banda Caution ,Banda mineira, somente de mulheres,com sede em belo Horizonte, captada do fotolog (*) da mesma e autorizada a captação por BRENDA MARS, poeta e fotógrafa, performadora:



"Caution recebe 3º Prêmio GRC Music na Categoria Banda Revelação
Hora de comemorar...Recebemos neste sábado em São Paulo o 3º Prêmio GRC Music na categoria Banda Revelação. Essa é a foto que saiu no site Mundo Rock de Calcinha que também ganhou o prêmio de web por divulgar a cena independente. Foi um dia muito massa de contato com outras bandas, produtores e de curtir as bandas que tocaram no prêmio. Vamos postar nos próximos dias fotos da premiação. A gente agradece por todos que apoiam a Caution. Não deixem de curtir nosso som no www.bandasdegaragem.com.br/caution www.myspace.com/bandacaution e outros sites que apoiam a cena independente.

(*)http://www.fotolog.com/cautionband/47968475

FESTIVAL de INVERNO De ITABIRA

InBrasCI - Minas Gerais
Instituto Brasileiro de Culturas Internacionais - MG

e


Jornal Aldrava Cultural


divulgam



Aos Membros do InBrasCI : Sede: Rio de Janeiro
Chancelaria Ilha da Madeira - Portugal
Membros Correspondentes do InBrasCI-MG
Zagreb, Brasília.

FESTIVAL DE INVERNO DE ITABIRA

Promovido todos os anos, em julho, pela Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade, o Festival de Inverno iniciou-se em 1974. A cidade se transforma em um verdadeiro "caldeirão cultural", com a realização de cursos e oficinas nas áreas de Teatro, Literatura, Música, Artes Plásticas e Danças. Exposições, apresentação de peças teatrais, espetáculos de dança e shows musicais de expressão nacional, regional e local em vários bairros e nos distritos de Senhora do Carmo e Ipoema atraem turistas de todo o país.


34º Festival de Inverno de Itabira

"No meio do caminho" é o tema do 34º Festival de Inverno de Itabira.


“No meio do caminho” é o tema do 34º Festival de Inverno de Itabira. Uma homenagem aos 80 da publicação do poema homônimo de Carlos Drummond de Andrade na Revista Antropofágica e aos 40 anos da primeira edição do livro Boitempo.
Sentimentos contraditórios e escandalizados com a nova maneira de se utilizar a língua portuguesa, fora dos padrões convencionais e da norma culta, foram despertados com “No meio do caminho” nos mundos literário e acadêmico.
Provocar sentimentos vários através da arte como elemento transformador do ser. É esta a proposta do 34º Festival de Inverno de Itabira. Um leque de opções, dos mais variados estilos, para agradar a todos que amam a cultura, a arte, a vida. Assim, a Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade, que comemorou 23 anos de existência, preparou o 34º Festival de Inverno de Itabira."


Vamos, conosco, celebrar a vida!
Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade

Programação:

http://www.culturaemitabira.com.br/festivaldeinverno/

Festival de Poesia Falada do Rio de Janeiro




A plêiade de Poetas da APPERJ não perde tempo.Nesse moneto, trabalha a divulgação do renomado FESTIVAL DE POESIA FALADA.Márcia leite e Sérgio Gerônimo enviam o convite/release.Concorra!

Festival de Poesia Falada do Rio de Janeiro
Date: Mon, 23 Jun 2008 12:11:32 -0300




www.apperj.com.br
site referendado no Diretório Mundial de Poesia da UNESCO
Festival de Poesia Falada do Rio de Janeiro
(Prêmio Francisco Igreja)

A APPERJ - Associação Profissional de Poetas no Estado do Rio de Janeiro convida todos os poetas a participarem do FESTIVAL DE POESIA FALADA DO RIO DE JANEIRO - PRÊMIO FRANCISCO IGREJA.
O tema do concurso é livre, sendo aceitos todos os estilos poéticos. Poderão participar poetas residentes no país, de qualquer nacionalidade, exceto os diretores da APPERJ.

Cada concorrente poderá enviar até três poemas inéditos, em língua portuguesa, digitados, de no máximo 30 linhas (espaços inclusive), em 3 (três) vias de cada, acompanhados da taxa de inscrição: 10 reais por poema e cinco selos simples (cópia do depósito feito em nome de APPERJ, Banco Real, ag. 0367, cc 8736848), até o dia 31 de julho de 2008, para: Festival de Poesia Falada do Rio de Janeiro - Prêmio Francisco Igreja; Estrada de Jacarepaguá, 7166/404. Cep: 22753-045, Rio de Janeiro/RJ, valendo como data de entrega o carimbo do correio.

O trabalho deverá ser apresentado com pseudônimo e os dados do autor deverão ser enviados em envelope lacrado, digitado (não serão aceitos poemas manuscritos), constando de: nome completo do autor; nome literário; pseudônimo; título da obra; endereço completo - CEP inclusive; telefone para contato - indicar DDD; e-mail. O envelope lacrado com os dados do autor deve ser enviado dentro do envelope maior contendo o(s) poema(s) para o concurso. Colocar como remetente, o nome Francisco Igreja e o mesmo endereço do destinatário. A identificação indevida do poeta, assim como o não atendimento a qualquer item do regulamento, acarretará na desclassificação do mesmo.

Os poemas serão julgados por literatos reconhecidamente idôneos da comunidade poética brasileira, cuja decisão será irrevogável e irrecorrível. Serão considerados na decisão: a correção da linguagem, a beleza das imagens poéticas e a originalidade com que o tema for tratado.


Premiação:
Categoria Única - serão selecionados os 20 melhores textos, cujos autores receberão certificado de Menção Honrosa e prêmios no valor de mil reais, assim distribuídos: 1° lugar: R$400,00; 2° lugar: R$300,00; 3° lugar: R$200,00 e melhor intérprete: R$100,00.
O poeta 1° lugar em texto receberá o Prêmio Francisco Igreja, que constará de: além do prêmio em dinheiro; publicação sem ônus na coletânea PERFIL e medalha Francisco Igreja.

Ao apperjiano mais bem classificado dentre todos os concorrentes, será oferecido certificado, o Troféu Francisco Igreja e prêmio publicação, sendo seu poema publicado graciosamente – sem ônus, na Coletânea PERFIL.

A seleção será feita por associados convidados. A classificação dos poemas selecionados será feita por júri presente ao evento que, também, considerará a oralidade na seleção do melhor intérprete (tempo máximo de apresentação de 10 minutos, a ultrapassagem do tempo estimado acarretará em desclassificação). Concorrerão todos os intérpretes, autores ou não. Os poemas selecionados para a cerimônia de premiação serão publicados nos sites da APPERJ e da OFICINA Editores (apoio cultural).

O encerramento do concurso acontecerá dia 16 de setembro de 2008 (3ª feira), a partir das 17h, no Auditório Machado de Assis, da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Pedimos a todos os concorrentes, que indiquem a intenção de comparecer ao encerramento ou o nome de um poeta carioca que gostariam viesse a representá-lo. A Diretoria da APPERJ garante, antecipadamente, a apresentação dos poemas selecionados, durante a festa de encerramento."

Outras informações pelos tel: Márcia Leite (21) 2447-0697 / Sérgio Gerônimo (21) 3328-4863.

Divulgação:
Diretora Regional do inBrasCi em belo Horizonte, MG
Clevane Pessoa de Araújo Lopes

Picasso Guernica em 3D por Lena Gieseke

video

Acabo de receber, da chargista Maria Fortuna e posto para os leitores e atistas que se interessarem, é de uma belza trágica em nome, fruto do talento e da vivência de Pablo Picasso: "Guernica é uma obra de Picasso de 1937 que representa o bombardeio sofrido pela cidade espanhola de Guernica em 26 de abril de 1937.. e esse video é a visão 3D da obra de Picasso... Arte e tecnologia Guernica de Picasso em 3D O quadro mais famoso de Pablo Picasso pode ser agora visitado online e em três dimensões. Um trabalho notável da artista nova-iorquina, Lena Gieseke."

sábado, 28 de junho de 2008

ORIGINAL será lançado dia 02/07/2008 no Palácio das Artes BH MG




Imagem:do ORIGINAL de 2007 (AS CORDAS QUE NOS CERCAM)a bela criação , trabalho do artista Luiz Carlos Campos

De 2008, um de meus 25 desenhos a bico de pena ou pastel, técnicas mistas, etc, para o tema A FORMA DO POTE VAZIO...

Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Diretora Regional do Instituto de culturas intrnacionais (InBrasCi, em Belo Horizonte, MG)
IMEL(Instituto Imersão Latina).


convidamos e solicitamos a gentileza de divulgaçao.

Munap Museu Nacional da Poesia ,atavés de sua Diretora,a criadora do ORIGINAL-O LIVRO DOS ARTISTAS, convida:

"Release

Museu Nacional da Poesia faz lançamento do ORIGINAL – livro de artistas edições II e III.
Mostra virtual dos exemplares e entrega das obras aos artistas autores.
Dia 2 de julho de 2008, quarta feira, às 19 horas nos jardins internos do Palácio das Artes.

O Original é uma ação entre artistas e tem como objetivo movimentar os ateliês, criar intercâmbio, promover e divulgar a arte no Brasil e no mundo. Regina Mello idealizou este projeto em 2006, e em sua primeira edição, o Original foi uma homenagem a Mozart. No mesmo ano é exposto em Viena - Áustria no Mozarthaus, como parte integrante da programação oficial em homenagem aos 250 anos do gênio da música.
Sob a direção e execução da artista visual, performer, poeta e multimídia Regina Mello, “Original” apresenta idéias e projetos que transcendem qualquer tipo de convencionalismo. Ao total das três edições Regina já arregimentou 60 artistas do norte ao sul do país. 20 artistas brasileiros convidados produziram 25 obras para compor os 25 exemplares de cada edição do “Original”.
O tema da segunda edição é AS CORDAS QUE NOS CERCAM, e o tema da terceira edição é A FORMA DO POTE VAZIO. Cada artista desenvolveu sua idéia a partir de suporte e técnica de livre escolha no formato A4.
Original II – As Cordas Que Nos Cercam
Artistas participantes
Ana Glafira/AL, Ana Gonzalez/PR, Cássia Veloso/MG, Clarisse Tarran/RJ, Enezila Campos/MG, Glória Lamounier/MG, Jorge Santos/MG, Ju Corte Real/SP, Lígia Borba/PR, Maria Emília Campos/MG, Pedro Augusto/MG, Regina Mello/MG, Sebastião Miguel/MG, Tarcísio Luiz de Paula/MG, Terezinha Escobar/MG, Thaís Helt/MG, Tchello d’Barros/SC, Valter França/MG, Vilma Rabello/MG, Viga Gordilho/BA.

Original III – A Forma Do Pote Vazio
Artistas participantes
Bernardo Britto Batista/SP, Bruno Zenóbio/MG, Clevane Pessoa/RN/Mg, Daniel Juliano/SP, Edna Moura/MG, Edu Rennó/MG, Élcio Cassola Padovez/SP, Eliane Velozo/PE, Giovana Dantas/BA, Glaucia Flügel/PR, Goto/PR, Lorena D’Arc Oliveira/MG, Luiz Cláudio Campos/BA, Marco Túlio Resende/MG, Marcos David/MG, Maria Lúcia Cattani/RS, Mônica Piloni/SP, Paulo Lisboa/MG, Regina Mello/MG, Ricardo Carvão/MG.

Original – livro de artistas
Lançamento, mostra virtual dos exemplares, entrega aos artistas autores e recital de poesia
Dia 02 de julho de 2008, quarta feira, às 19 horas
Local : Jardins Internos do Palácio das Artes
Telefones: (31) 25157367, 88387367 Regina Mello email: reginamello2004@yahoo.com.br"


Regina Mello
Munap - Museu Nacional da Poesia

terça-feira, 24 de junho de 2008

uni-Versos-lançamento em Santa Maria RS por Edinara Leão






Edinara Leão está bastante empolgada com a antologia uni-Versos, para a qual convidou-me e onde estou com o poema "Da Paixão AmoroROSA".
No frio deste início de inverno, o calor humano por certo umidecerá olhos e aquecerá corações.
O sistema é simples,eficiente e de baixo custo : poetas , em edição cooperativa.Cada poeta envia um poema e paga uma pequeníssima taxa.A edição ficou bem bonita, a capa está uma beleza , os poemas são bons, os autores se enquadram muito bem na proposta de encantamento -e a feitura aconteceu em S.Luiz Gonzaga/RS.As parcerias são com o grupo virArte ,Associação Amigos da Biblioteca .
No próximo ano, espero confraternizar com os demais autores e fiquei muito feliz ao saber que o amigo poeta João Justiniano irá ao lançamento, na cidade gaúcha de Santa Maria, da Bahia.
Louvo esse espírito de solidariedade e é por isso que gosto mesmo de participar de coletãneas, seja por premiação, classificação ou cooperativismo.E vibro ao ver que ainda há pessoas que se unem pela POIESIS, sem maiores fins lucrativos, apenas a cobrir despesas.

Veja o recado da bela poeta (guapa, conforme dizem no RS):

Solicitamos a todos os que participaram do livro "efervescência" que se fizerem presentes no lançamento do "uni-Versus" tragam junto o "efervescência" porque termos o privilégio de contar com a presença de 4 premiados!
2º lugar- Ivo Bairros de Brum, de Santa Maria
Troféu Escrevinhador e ganhador do I e IV Concurso virArte - Miguel Russowsky,
de Joaçaba (Santa Catarina)
Troféu Talento Jovem - Jonathan Lovatto, do Instituto Luiz Guilherme
do Prado Veppo, Santa Maria
Troféu Revelação - Paola Fleck, do Colégio Estadual Manoel Ribas

Também receberão troféus nesta noite as escritoras santamarienses, sócias do Movimento virArte que lançaram obras solo, pela "Série Escrevinhador":
Amélia Morcelli, com o livro "Renascendo das cinzas", Vol VII da série, lançado em 10/05/08
Iolanda Beltrame, com o livro "Cisne de cristal", Vol VIII da série, lançado em 05/05/08, também já confiemram presença:
Mário Simon, de Santo Ângelo, Comissão Julgadora - V Concurso
Regina Caetano, de Santa Maria, Comissão Julgadora - V Concurso

e o Convidado de honra do livro Efervescência:
João Justiniano, de 87 anos, q virá de Salvador, Bahia, especialmente para partilhar conosco do lançamento e 2º aniversário virArte em Santa Maria.

Será uma noite memorável, com recital dos poemas que obtiveram o 1º lugar nas cinco edições do Concurso, show com o grupo Raízes da América, performance "Ode ao burguês" - Parceria virArte Associação Amigos da Biblioteca e os poetas presentes seão conviados a um Sarau Poético, onde poderão recitar sua poesia.

Esperamos vocês lá!

Edinara "

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Minha Mãe Adotiva- Vania Moreira Diniz





Imagem:foto de Vânia Diniz com suas filhas.

Vânia Diniz escreve uma "crônica - soul" que remexe nos recônditos de nosso self.Li esse texto dela no ano passado, publiquei, distribuí.Vale a pena republicar, com um poema para a amiga:

Teu ESTILO

(Clevane Pessoa ,para Vânia Diniz)

Dedos de luz teclam o verbo
rememórias pincelam o imaginário.
A vestimenta do estilo
cobre qualquer nudez ou simplicidade.
É a palavra cinderelamente
tornada princesa, a vestir beleza
e sapatinhos de cristal.

Belo Horizonte, 13/06/2008

"Amigos.
Essa é uma homenagem especial. Publiquei no Dias das mâes do ano passado. Dna Ramona cuja história já contei está na UTI, muito mal. Gostaria de fazer uma homenagem a essa mulher maravilhosa que me acompanhou com carinho extremo desde muito menina. É um carinho, um presente de amor que lhe oferto principalmente porque hoje é dia de seu aniversário.
Abraços
carinhoso
Vânia

Minha mãe Adotiva
Vânia Moreira Diniz"



Quando a vi pela primeira vez tinha era apenas um jovenzinha, estava chegando em Brasília e ao vê-la senti uma empatia tão grande que no mesmo momento pareceu-me que já a conhecia há longo tempo Era morena de cabelos grisalhos e não parecia ter completado sessenta anos. Seu sorriso era maravilhosamente contagiante e me olhou com um carinho tão grande que fiquei sensibilizada. Ia ser sua vizinha e a família toda (o marido e os filhos) me encantaram. Imaginei que Dona Ramona infundia e influenciava tanto aquela família que era um prazer estar com eles. E não me enganei.

Passei a ser um membro ativo naquele núcleo e extremamente mimada. Tornei-me a filha caçula e eles transbordaram de carinho e amor por mim. Acho que em todos os anos de minha vida não tinha conhecido uma família tão fascinante. Nas várias ocasiões em que permanecemos juntos como até hoje há um carinho permanente e desde aquela época posso ter certeza de sua amizade e força em todas as oportunidades.

Dona Ramona passou ser como ela me diz várias vezes a minha mãe adotiva. Muitas vezes me falou emocionada

- Não sou elegante e bonita como sua mãe verdadeira, mas a amo muito.

A certeza de sua presença tão próxima, desse amor simples e verdadeiro, a preocupação com tudo que se refira a minha vida e ao meu bem estar suavizaram enormemente os percalços que por vezes tomam conta do nosso caminho.

Tinham um cuidado extremo como se de fato tivessem me adotado. Nunca vi Dona Ramona recusar um favor a quem quer que seja. Mas comigo é como se eu tivesse nascido ali, naquela casa e que de certa forma fossem responsáveis por mim. Tinha duas filhas pequeninas e Dona Ramona espantara-se tanto no dia que me conheceu que nunca mais deixou de comentar o fato. Achara que eram minhas irmãs e então ficou ainda mais fascinada. Durante esses anos tem sido para todas nós aquela que não arrefece em nenhuma oportunidade e é capaz de secar nossas lágrimas com a mesma confiança que compartilha alegrias e prazeres.

Acho que sabe de tudo que se refere à minha alma. Com detalhes e só de me olhar, pressente como estou ou se aconteceu alguma coisa. E não há ninguém em que Dona Ramona confie mais do que em mim. Muitas vezes Maria Célia, sua filha me diz entre sorrindo e comovida:

- Não sei o que seria de nós e principalmente de minha mãe sem você, Vânia. Ela aprendeu tanto a se apoiar em você que apesar do amor dela por mim só sente segurança quando está na sua presença.

E o filho dela diz a mesma coisa. Entretanto foi ela que intrinsecamente me deu apoio em tudo e conseguiu sublimar o meu sentimento profundo pela falta de minha família. Esteve e continua a estar nas trilhas dolorosas que, como todo mundo, muitas vezes enfrento, ajudou a menina inexperiente e trepidante que um dia chegou aqui com muitos sonhos, cooperou no processo de reconstrução de uma vida ainda mal começada, cujos alicerces deixara no Rio de Janeiro e foi responsável por inúmeros passos no caminho de um aperfeiçoamento.

Foi no seu colo que deitei nas horas que me sentia frágil, absorvendo sua força, aspirando seu carinho restaurador, embebendo suas palavras delicadas e, no entanto tão alentadoras. Foi com a ternura de seus sentimentos que venci obstáculos e me senti preparada para a batalha da vida.

Nunca deixei de ser ressarcida de um potencial enorme de conforto e amizade, que era combustível certo para minha alma e até hoje ressoam em meu coração os gestos mais peculiares de afeto intenso, no sentido mais amplo. Só um amor de mãe poderia ter-me dado essa força. Muitas vezes me embalava à noite tal qual uma menininha o que naturalmente eu era esquecendo-se de tudo o mais. Tenho que humildemente agradecer a Deus sempre e repetidamente e lembrar-me da inigualável fortuna posta ao alcance de minhas mãos.

Pela minha vida afora essa mulher tem sido a mãe que em nenhuma oportunidade me faltou acompanhando a minha trajetória com uma persistência imperturbável procurando doar-se, chorando, alarmando-se, ou sorrindo por mim. Torcendo e aconselhando. Orientando e amando. Com o mesmo carinho e atenção que o faz com os próprios filhos. Sem absolutamente nenhuma diferença.

Minha vida foi enriquecida por essa família maravilhosa e pela ternura de uma mulher que na verdade me adotou senão oficialmente, mas o que é mais importante através de seus sentimentos generosos e desse amor imenso com que cercou e contorna de colorido minha vida.

Para Dona Ramona meu carinho indescritível, incomensurável e minha eterna gratidão.



Vânia Moreira Diniz

Visitem o riquíssimo Poetal de Vãnia: www.vaniadiniz.pro.br

terça-feira, 10 de junho de 2008

João Cabral de Melo Neto para Murilo Mendes

João Cabral de Melo Neto para Murilo Mendes

ClevanePessoa(*)

O poema abaixo, primor e inventiva, entre as mil invenções dizer poético sobre o encontro amoroso,sai das palavras precisas e algóricas de João Cabral de Melo Neto, Poeta maior,para Murilo Mendes.Penso-me se haveria no primeiro a clara intenção de homenagear o segundo, ao iniciar o poema, ou se intenção surgiu ao ler-se e deparar-se com paralelas murilianas...
Em Juiz de Fora, jovem repórter e crítica literária, eu vivia a ler A Idade do Serrote porque a inusitada e saborosa prosa poética de Murilo encantava-me.Já no Jornal Urgente, tablóide onde meu primeiro marido, o jornalista e poeta Messias da Rocha,divertia-se ao escrever com ironia ou charge e assim driblar a Censura, eu mantinha, seriamente, uma coluna horizontal de resenhas.Certa feita, escrevi sobre Murilo ("Murilo Mineiro Mendes", o título do artigo) e publiquei ao lado um poema do poeta Roberto Medeiros, que pertencia, como eu ao NUME(Núcleo Mineiro de Escritores) e à UBT, que eu presidia, um poema para a poetisa portuguesa Maria da Saudade Cortesão (o nome próprio, um poema), mulher de Murilo.
Mais tarde, já estudante de Psicologia, no CES, relia cada frase muriliana com a interpretação já sob a influência psicanalista.As suas histórias de parentes são insuperáveis, as metáforas ,originais entre originais...
De João Cabral de Melo Neto, seu Quaderna também mexia furiosamente mas silenciosamente com a minha calada alminha em gritos. Impressionou-me, entre outras montagens, uma do Grupo Divulgação-se não me falha a memória cansada de andanças- do Morte e Vida Severina.A rede onde o morto era cantado e dissecado verbalmente, junto às análises sócio-poéticas,permanece também em minha memória, junto com os versos.
Quando somos ou estamos jovens, tudo apresenta-se com um sabor de ambrosia e provamos licores, maná dos deuses. tampamos o nariz aos cheiros desagradáveis, mas continuamos a insistir.Mais velhos, carregamos esse jovem que nos viveu,na rede de nossas vivências atuais,e acreditamos que chegaremos a algum lugar, para salvá-lo, meio sem coragem de verificarmos se nosso jovem interior ainda está vivo.Algo em nós nos impede de ver se a juventude morreu.Porque nesse caso, teríamos de parar com a procissão de amigos e acompanhantes e perdermos um pouco do tempo que nos resta,para enterrar os sonhos...

Clevane Pessoa de Araújo Poeta honoris causa pelo CBLP para oito países lusófonos pelo CBLP.

Eis o poema de um poeta a outro, igualmente grande:


A MULHER E A CASA

Tua sedução é menos
de mulher do que de casa:
pois vem de como é por dentro
ou por detrás da fachada.

Mesmo quando ela possui
tua plácida elegância,
esse teu reboco claro,
riso franco de varandas,

uma casa não é nunca
só para ser contemplada;
melhor: somente por dentro
é possível contemplá-la.

Seduz pelo que é dentro,
ou será, quando se abra;
pelo que pode ser dentro
de suas paredes fechadas;

pelo que dentro fizeram
com seus vazios, com o nada;
pelos espaços de dentro,
não pelo que dentro guarda;

pelos espaços de dentro:
seus recintos, suas áreas,
organizando-se dentro
em corredores e salas,

os quais sugerindo ao homem
estâncias aconchegadas,
paredes bem revestidas
ou recessos bons de cavas,

exercem sobre esse homem
efeito igual ao que causas:
a vontade de corrê-la
por dentro, de visitá-la.


João Cabral de Melo Neto: Quaderna, 1956-1959.
Dedicado a Murilo Mendes.
In Poesias Completas: 1940-1965. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975

Quaderna, de João Ca-bral
de Me-lo Ne-to
a perfeita cadência
contida no próprio nome,nordestino,
mexia furiosa/mente
mas silenciosa
mente com a minha calada
alminha em gritos.
Morte e Vida Severina:
morte e vida da menina,
que fui-serei
jovem mulher boquiaberta
ante o Chumbo daqueles anos.

A Idade de Serrote,
de Murilo (Mineiro) Mendes,
serrava minhas resistências acadêmicas
restantes e condicionadas
e produzia
aparas de Poesia...
Descobri resiliências e resisti...

Clevane Pessoa de araújo lopes

Mini bio:
Clevane Pessoa de Araújo Lopes, nordestina de S.José de Mipibu, RN, mora em Minas Gerais desde a infância, tendo retornado à capital mineiro depois de dez anos no NE(S.Luiz, Maranhão) e N( Belém,Pará).
É psicóloga, tendo estudado no CES em Juiz de Fora até ao oitavo período.Por motvo de enlace, com o engenheiro civil Eduardo Lopes da Silva, mudou-se para Belo Horizonte e concluiu o curso na FUMEC.
Escreve desde a infância e poesia a partir dos dez anos de idade.Palestrista, oficineira, em temas literários ou de psicologia, é desenhista e gosta da beleza-em todas as suas fontes vertentes.
Embaixadora universal da paz (Cercle Univ.de Les embassadeurs de la Paix-genebra, Suiça), poeta Honoris causa pelo CBLP,para oito países Lusófonos, Patroness da AVSPE, Diretora regional do inBrasCi em Belo Horizonte,Integra a rede Catitu na Núcleo de Entrevistas Clevane Pessoa entre Pessoas,é Representante do Movimento Cultural aBrace (Uruguai Brasil), na capital mineira e é Delegada da ALPAS XXI por MG e bahia.Pertence á Academia de Trovas do RN desde 1968 e a outras academias literárias , na qualidade de Memebro Correspondente.Nos Anos 60/70,foi nomeada Delegada Ad Honoren," com todas as honras de representação distinguida", do Instituto de Cultura Americana,registro 5041-França, Paris, UNESCO, pela filial do Uruguai e da ARIEL (Associação de Livres Pensadores), pela filial de Portugal.Graças a esse dois últimos cargos, forneceu cartas de apresentação a artistas e poetas brasileiros,que dessa forma, escaparam da Ditadura Militar e puderam sair do País.
É mãe de Cleanton Alessandro (Allez pessoa, contrabaixista e desenhista e Gabriel (massoterapeuta),viúva de Eduardo Lopes da Silva.

Everi Carrara comenta Kenard Kruel-"Torquato Neto Ou a Carne Seca é Servida"livro de K




Foto:Torquato Neto, jovem.

Torquato Neto no século vinte e um

Everi Carrara-Cônsul de Poetas del Mundo em Araçatuba (SP)e Membro da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores e é responsável pelo Jornal Virtual de divulgação Cultural TELESCóPIO(que funciona em dois espaço:site e blog simultâneos).

Kenard Kruel fazendo muito sucesso com o lançamento de seu livro . Muita gente lendo e se deliciando ao longo das páginas inspiradas do volumoso e importante resgate da obra do poeta piauiense mais importante da Tropicália.
Estou repensando Torquato e a cultura brasileira, por vários ângulos e todos eles são válidos,porque genuínos e necessários diante da complexidade brasileira expressa em infinitas contradições, mesmo porque ,via de regra, os grandes poetas e artistas estão acima da média das pretensões sociais,sejam elas quais forem, a revolução é o itinerário apenas das vanguardas,de uma minoria que exorciza a banalidade coletiva e doentia.
Aprendo com Torquato que é preciso sempre correr risco,não ter medo de entrar e sair de estruturas adversas. Penso que se Torquato estivesse vivo, talvez tivesse produzido muito cinema, vídeos,clipes,performances,escrito alguns roteiros para tv,encenado ou produzido algo com Regina Casé, Tom Zé, Caetano Veloso, Gal, Fernanda Takai, Chico Science,Nação Zumbi,o pessoal do Mangue Beat...quem sabe. Impossível acreditar que ficasse imobilizado perante o fluxo da correnteza política existencial brasileira de latina america.

Torquato partiu deixando saudades em Tom Zé,Caetano e muita gente boa. Partiu e inspirou os que aqui permaneceram para desafiar o coro da mesmice,dos acadêmicos improdutivos, da elite acéfala, dos poetas babosos, da velharia política e feudal. Sim, eu digo sim a Torquato,parafraseando Caetano, porque há uma trilha clara para o ser humano apesar da dor,é possível que os novos poetas e artistas saibam caminhar á partir da poesia e dos atalhos inspirados por Torquato, seguindo em frente, sem medo do confronto com a burrice nacional vigente, ou não iremos á lugar algum no século vinte e um.

O poeta é mais que um simples poeta, deve estar atento e forte, maior que a dor,a política, as leis, a moral vigente,a soberba. O poeta está mais vivo do que nunca diante desse país que agoniza há séculos e que ainda não foi verdadeiramente descoberto.


Serviço:
EVERI RUDINEI CARRARA:escritor,editor do site http://telescopio.vze.com
araçatuba/sp.

Divulgação:
Clevane Pessoa de Araújo lopes, Diretora Regional do InBRasCi em Belo Horizonte, MG,Cônsul Z-C de Poetas del Mundo, Vice-Presidente do Instituto Imersão Latina,Delegada da ALPAS XXI em Belo Horizonte, MG

E agora, uma nesga de Torquato Neto e sua poesia , já um cult, representante do Undergrownd perene que consome a alma de tantos poetas que nelas próprias habitam para suportar o mundo:oroboros,cabeça que prende cauda, círculo perfeito, eter(n)idade,umbigo de princípio, mas alteridade porque o Outro é nosso reflexo.

Clevane pessoa de Araújo Lopes
Psicóloga, Poeta Honoris causa pelo CBLP para oito países Lusófonos.

Cogito

Eu sou como eu sou
Pronome
Pessoal intransferível
Do homem que iniciei
Na medida do impossível

Eu sou como eu sou
Agora
Sem grandes segredos dantes
Sem novos secretos dentes
Nesta hora

Eu sou como eu sou
Presente
Desferrolhado indecente
Feito um pedaço de mim

Eu sou como eu sou
Vidente
E vivo tranqüilamente
Todas as horas do fim


Let's Play That

quando eu nasci
um anjo louco muito louco
veio ler a minha mão
não era um anjo barroco
era um anjo muito doido, doido
com asas de avião

eis que esse anjo me disse
apertando minha mão
entre um sorriso de dentes
vai bicho desafinar
o coro dos contentes
vai bicho desafinar
o coro dos contentes

let's play that

(Torquato Neto)